chá da tarde delicinha

Quarta-feira da semana passada foi um dia atípico. Saí voando do trabalho em um táxi em direção aos Jardins e corri para a Casa Santa Luzia. Dei de cara com o mezanino decordo e tudo preparado para minha palestra!

(santo iPhone)

Tomei um lanchinho rápido (eu adoro sentar e almoçar, fazer com calma, mas nesse dia não deu) e corri para na sala de palestras (não porque eu estivesse atrasada, era curiosidade mesmo). Enquanto ajudava a posicionar os saquinhos de chá que iríamos degustar no final da palestra, recebi uma visita surpresa do Xavier Bartaburu, amigo de faculdade, que está escrevendo um livro sobre o Santa Luzia! Depois, foram chegando aos poucos, cerca de 50 pessoas – entre elas, outra amiga, Helena Prado, que não via há mais de um ano. E durante uma hora e um pouco mais falamos sobre chá. Falamos é modo de dizer. Eu falei como quem conta para a melhor amiga que acabou de se apaixonar por alguém…

Foi bem especial fazer esta palestra neste lugar porque há exatamente dois anos, eu estava neste mesmo estabelecimento, como público da palestra. E, por acaso, depois do evento, tive um encontro que mudou a minha vida: conheci Guillermo Cassarotti e Inés Berton, idealizadores do inti.zen e Chamana, e tudo isso mudou a minha vida. Uma série de acontecimentos se sucederam depois e me levaram a começar este blog.

(e santa DIVULGAÇÃO, que cedeu as imagens acima)

Degustamos dois chás da Kusmi Tea, uma marca francesa que finalmente começa a ser importada aqui no Brasil. Um deles foi o Prince Vladmir, um dos meus preferidos (se quiser saber mais sobre este blend, leia este post). Eu geralmente escolho para degustações algum chás que aprecio bastante. O outro chá foi o Earl Grey da mesma marca, com o sabor de bergamota bem discreto – brinquei que era um chá para iniciantes.

Toda vez que tem evento, eu me divirto em todas as etapas. Gosto de estar envolvida em tudo, primeiro porque eu gosto, e depois porque acho que estar presente na essência e nos detalhes contagia no resultado final. O final costuma ser muito interessante, é quando a gente tem um tempo para conversar um pouco (bem pouco) mais com quem esteve presente.

Tem coisa mais legal do ajudar alguém a descobrir o chá que ganhou de presente e não recordava o nome?

*

Agradeço a equipe de marketing da Casa Santa Luzia, especialmente Flávia e Julia, abertas para o conceito do blog Cerimônia do Chá e dispostas a levar esse olhar para a semana de degustação de chás. E também ao Daniel e Leandro, da Gourmet Tea, duas pessoas também fundamentais nesse caminho, que me indicaram para este evento e me apoiam em tantos outros.

Deixa um comentário