Como organizar sua estante de chás

Faz quase dois anos que não saio do Brasil, mas tenho aproveitado viagens de amigos para encomendar alguns chás para estudar, degustar ou tomar por prazer. O contato com o chá nutre de alguma forma esta alma de viajante que me habita. Penso que cada povo desenvolve um jeito especial de fazer as coisas, e vai transmitindo essa tradição – ou a essência dela – ao longo dos anos. Quando bebemos um chá, estamos em contato com a expressão viva do lugar de onde ele vem.

Isso me abre espaço para outros pensamentos, sobre o que é o mundo de cada um e como este mundo se expressa. O meu andava sendo uma estante bagunçada de chás, tão bagunçada que eu não conseguia encaixar os novos chás recém-chegados em malas de amigos e pelos correios.

Fiquei postergando olhar para a estante bagunçada e as sacolinhas em um canto até que em uma tarde do nada comecei a mexer em uma prateleira ou outra, a colocar em prática algumas transformações que estavam acontecendo também dentro de mim. De repente, todos os chás já estavam espalhados sobre a mesa, os que estavam vencidos iam sendo despejados em um grande recipiente de metal, cortando saquinhos e despejando chás, separando suas embalagens para a reciclagem e a organização foi acontecendo.

Quando me dei conta, lá pelas tantas da noite, já havia uma estante toda organizada, com embalagens reaproveitadas e uma grande quantidade de chás a granel que será direcionada para compostagem. Como eu não tenho esse hábito (ainda), falei com uma amiga para doar os chás – segundo ela, comida chique para as minhocas!

Embora saiba que cada um tem seu jeito de ser, e sua maneira de organizar as coisas, reuni umas dicas úteis (que ficaram penduradas na estante, pois servem para me ajudar também a manter a organização ou para mudar os chás de lugares quando for necessário) que podem ajudar na arrumação dos seus chás, pois quanto mais se pega gosto pela coisa, a tendência é querer experimentar, consumir e… acumular.

Antes de escrever sobre as dicas práticas, é importante começar por uma que considero fundamental: tome seus chás, evite guardá-los para uma ocasião especial ou então economizar porque se trata de um chá raro e você quer que ele dure. Não se esqueça de que todo chá tem prazo de validade, que deve estar impresso na embalagem (de um modo geral são dois anos a partir da data de fabricação). Estamos falando de chás, mas também de desfrutar a vida. Não tenha dó de tomar um chá gostoso, prepare-o pessoas de quem gosta, leve um pouco de chá quando for visitar os amigos, compartilhe o que é gostoso.

Agora, sim, vamos às dicas de organização:

Descubra as suas próprias categorias: quem gosta de chás já conhece as categorias clássicas (verde, preto, branco, oolong etc). Outra forma de classificar os chás, além do processo de oxidação, é a região de onde eles vêm. Já é conhecida minha predileção por chás japoneses e, durante a arrumação, pude notar que tenho também muitos chás da China e Taiwan. Então, resolvi separar uma prateleira apenas para eles. O restante foi dividido entre “chás para degustação”, “chás do dia a dia”, “infusões” e embalagens. É um processo subjetivo de edição. Se você está para começar a sua arrumação, coloque todos os chás sobre a mesa e arrisque agrupá-los, começando a juntar aqueles que você tem em maior quantidade e também pela afinidade que você enxerga entre eles. Dessa forma, irá descobrir suas categorias. Se achar mais fácil, use as categorias clássicas.

Reutilize latas e caixas de chás para organizar: essa técnica é uma adaptação da arrumação que fiz nos armários de casa logo que voltei de Lisboa. Uma amiga havia indicado o best seller da Marie Kondo, que comprei um pouco desconfiada (preconceito meu, confesso, em relação aos livros mais lidos e filmes mais comentados), mas lendo o livro descobri algumas dicas de organização. Uma delas consiste em reaproveitar caixas e latas para arrumar gavetas. Ao jogar fora uns restos de chá a granel vencidos, encontrei latas lindas que foram reutilizadas para guardar amostrinhas e chás em sachês. Os que não couberam nas latas foram presos por aqueles ganchinhos que algumas lojas usam para fechar as embalagens de chá a granel e, dessa forma, eles não ficam esparramados.

Separe os andares por praticidade: como sou baixinha, para mim é importante ter ao meu alcance o que uso ou consumo mais. Nem precisei muito para deixar em uma altura razoável os chás que tomo com mais frequência e também os que estão na fila de degustação. A prateleira “Japão, China e Taiwan” também ficou de fácil alcance. Mais ao alto, coloquei as infusões, que são mais leves… E abaixo o que está em estoque e em maior quantidade (erva mate, por exemplo, que vem em pacotes maiores). Ainda encontrei uma cestinha linda onde guardo embalagens, filtros, infusores e coadores.

Movimente a energia: é importante deixar os chás de forma visível, de forma que você consiga enxergá-los para poder escolher, em vez de consumir apenas os que estão na frente, mais visíveis ou à mão (deixar a frente o que se consome mais também pode ser um critério de arrumação). Vale consumir de forma diversa, ver o que está acabando, o que está vencido (não tenha medo de jogar fora ou colocar na composteira – de preferência os não aromatizados), movimentar a o lugar dos chás de tempos em tempos. Às vezes, a gente descobre algo que estava esquecido, escondido, e retoma um prazer antigo em um contexto diferente, como fazemos com a vida!

Deixa um comentário