meu primeiro pu erh & recomeço

Tudo começou com a Jana, da Japonique, me dando dois tabletinhos de Pu Erh que a mãe dela trouxe da China. Achei a embalagem tão linda que deixei um bom tempo de enfeite junto com outros achados (o bulinho é inglês, foi a fève da galette des rois de algum janeiro que passei em Paris) na minha ex-estante de chás, esperando por alguma ocasião especial (como a estreia do jogo de chá que ganhei de uma prima e me esperava na casa da minha mãe).

Essa história de ocasião especial dá pano para manga. Dia desses, por conta de um triste episódio, me dei conta que há coisas que ficam guardadas para serem usadas ou degustadas em “momentos especiais” e, às vezes, os momentos não acontecem ou não são reconhecidos como tais…

Tão logo recebi uma visita por acaso do Puri e da Grazi no apartamento onde até então eu estava morando que resolvi abrir o chá depois do almoço, assim, como se estivesse passando um cafezinho. Meu último encontro com eles tinha acontecido há mais de um ano, em Paris, quando a Grazi (que, na época, morava em Praga) foi nos visitar para me dar força na minha despedida da cidade e arrumação de caixas para partir para São Paulo.

Os três juntos em São Paulo é uma ocasião e tanto, não?

Grande parêntese aqui para falar sobre o Pu Erh: ele é um chá pós-fermentado, ou seja, envelhecido como um vinho (alguns tipos têm sido fermentados há até  50 anos, embora a maioria tenha entre 1 e 4 anos) e conservado em forma de tijolinhos ou até mesmo de grandes bolos prensados (há um modo de separar as folhas grudadinhas para não quebrá-las – uma das técnicas de como fazer isso pode ser vista neste link do youtube).

Alguns o classificam erroneamente como chá preto, mas ele é simplesmente Pu Erh, que tem como origem do nome uma vila na província chinesa de Yunnan conhecida como um importante centro comercial da Rota dos Chás e dos Cavalos. Ele é o chá utilizado na cerimônia do chá chinesa: a primeira infusão, feita com água recém-fervida  (90°C) e que dura poucos segundos, costuma ter um gosto bem forte, e é utilizada para lavar os utensílios. Bebe-se geralmente a partir da segunda infusão feita com as mesmas folhas, em uma temperatura mais amena (entre 85 e 89°C), durante um pouco menos de 2 minutos (para o meu gosto).

Puri e Grazi em São Paulo

O que eu achei mais bonito do Pu Erh, além da cor do chá, é a sensação de familiaridade que ele me causou.: uma mistura de sabor de chá de missa (que geramente costuma ser um banchá, mas o Pu Erh não tem gosto de banchá, apenas lembra vagamente) + chá de alguns restaurantes chineses (que não sei precisar direito qual, mas reconheço como sendo a outra opção quando não quero tomar chá de jasmim) + colo (isso mesmo, colo).

É um chá redondinho, gostoso de se tomar, combina com aquele sol suave que entra pela janela sem você perceber: ele não ilumina a sala toda (pelo contrário), mas faz toda a diferença.

Sem contar a cor dele, que é linda linda…

Mas ainda havia um tablete esperando + uma sala ainda disponível + amigas livres em um domingo ensolarado + uma fase nova para mim em que a energia, o apoio e a risada de amigas foi fundamental para me ajudar a encontrar forças e me preparar para uma semana de encaixotamento de coisas.

Outra ocasião especial.

Ju, Dani, Fla, Paulinha e Carline,

conto com vocês na “reabertura dos trabalhos”!

(Jana, você também será convocada)

Para quem quiser comprar Pu Erh no Brasil, sei que há para vender na Talchá (Shopping Higienópolis) e arrisco dizer que também n’A Loja do Chá (Shopping Iguatemi), em São Paulo. Não sei se eles vêm lindos e embalados, mas aposto que, pelo nível dos chás comercializados nesses dois locais, devem ser de boa qualidade. Há uma versão da empresa Fujian Tea (que importa outros chás chineses industrializados no Brasil) de qualidade mais modesta e pode ser encontrada em mercadinhos orientais da Liberdade (comprei uma caixinha neste final de semana e prometo dar as dicas em breve).

Comentários

3 comentários em meu primeiro pu erh & recomeço

  1. gostaria de saber como posso comprar esse cha ,pois aqui na minha cidade nao tem .

  2. Orlando Wanderley Dantas disse:

    Realmente um chá milagroso tenho tomado diariamente, pois compro direto da China e tenho problemas colesterol alto, boa matéria parabéns,.
    Sou de Campina Grande PB, qualquer coisa mande email
    Atenciosamente,
    Orlando

Deixa um comentário