remédio para alma

Há toda uma discussão sobre o fato de os brasileiros não terem o hábito de tomar chá porque culturalmente, a bebida é encarada como remédio. Como remédio tem gosto ruim, as pessoas não associam o chá ao prazer. Quem costuma dizer isso é a Carla Sauaressig, d’A Loja do Chá, pioneira em trazer o um outro olhar sobre o chá para os brasileiros.

Não sei se é porque tive avós japonesas (e uma delas eu nem conheci) que não encaro o chá dessa maneira. Tirando o chá de boldo, sempre tomei todos os que me deram numa boa. Até mesmo o banchá, a gente (quem é descendente de japoneses) toma desde criança, sem açúcar, depois das missas – aliás, uma das combinações mais deliciosas na vida é bancha com manju branco…

Eu evitaria dizer que as pessoas não gostam de chá porque ele é remédio. Ou que elas gostam de chá porque é remédio. Até porque nem sempre remédio é coisa ruim, pois remédio cura, faz a gente se sentir melhor. E levando isso para o chá, acho que ele é remédio para a alma, é conforto, ou seja, um  remédio decilioso!

 

FALO ISSO PORQUE…

estou mais gripada do que gostaria e, além da companhia de uma caixa de lenços, passei o final de semana a base do Green Moroccan Mint, da Gourmet Tea. Este chá foi uma das opções oferecidas na degustação do evento que fizemos para a Virada Sustentável, escolhido por mim por encará-lo como uma espécie de house blend (o Leandro, um dos sócios da loja, tem família de origem marroquina). Ele é composto por 70% de menta marroquina e 30% de chá verde. Além de refrescante (ou seja, dá para o verão), perfumado (na medida) e saboroso, ele também reúne algumas propriedades da menta/hortelã: é digestivo e expectorante.

Achei uma deliciosa desculpa para passar esses dois últimos dias abraçando o Green Moroccan Mint!

MODO DE PREPARO: a medida costuma ser 1 colher de chá para 200 ml. Mas eu me dei o direito de colocar 1 colher e mais um pouco. A água foi a 75 graus. O bacana deste blend da Gourmet Tea é que, se você deixar passar de três minutos, o chá não amarga além da conta. Mas eu não costumo deixar passar, não. Dois minutos e meio (no máximo) para mim bastam!

E eu tomei sem açúcar.

 

FALO ISSO PORQUE (PARTE 2)…

no Marrocos, as pessoas tomam o chá de hortelã bem docinho (que também é muito bom).

Se você quiser fazer a sua “versão caseira” do chá, eu passo duas maneiras:

1) Preparar o chá de hortelã como indicado neste post (da forma que eu aprendi em um restaurante libanês) e, quando ele estiver pronto, passar por esta “água” um saquinho de chá verde de boa qualidade. Deixe para que cada pessoa adoce o seu chá (ou não) a gosto.

2) Preparar à moda da Douce France, fazendo o chá verde primeiro e servindo-o em uma taça/xícara/whatever lotada de folhas de hortelã. Da mesma maneira, cada um adoça o seu.

 

 

Há ainda duas opções de chá verde com menta no mercado brasileiro:

Do Casino, a venda da rede Pão de Açúcar: não é meu preferido, mas quebra um galhão!

 

Da Twinings, que também não costuma dar muito erro – tem um sabor mais elaborado.

 

 

Mas como isso era para ser um post sobre CONFORTO (e não sobre chá verde com hortelã/menta), finalizo com um provérbio marroquino sobre a bebida apenas para trazer um pouco de reflexão…

Le premier verre est aussi amer que la vie,
le deuxième est aussi fort que l’amour,
le troisième est aussi doux que la mort.

Tradicionalmente, os marroquinhos servem o chá três vezes: o primeiro copo é tão amargo quanto a vida, o segundo, tão forte quanto o amor e o terceiro, tão doce quanto à morte. Sem pensar em morte (por favor!), deixo meu singelo depoimento dizendo que o chá verde com menta tem acalmado um certo sofrimento do meu sistema respiratório e trazido prazer para quem está levemente de cama!

Comentários

3 comentários em remédio para alma

  1. Maria Eduarda Giering disse:

    Olá, Erika! Só agora descobri teu site e simplesmente adorei! Vou precisar de algum tempo para ler tudo o que já escreveste. Uma pergunta: que chás recomendas para se tomar à noite?
    Abraço,
    Eduarda.

    • admin disse:

      Que bom, Eduarda! Os chás/infusões com base de rooibos são ótimos para tomar à noite, pois não atrapalham o sono. Depois me escreva contando se gostou! Beijos, Erika

  2. Sandra Xavier de Campos disse:

    Olá Érika!!!Amei seu novo post…Espero ansiosa por cada um,são deliciosos de se ler.Aguardo também um dia poder participar da inesquecível experiência da cerimônia do chá e aprender,que seja o mínimo,sobre esse ritual que faz parte da cultura de um país que amo(japão).Passeio sempre pelo seu blog …Ele é uma delicia,e tenho aprendido tanto.Obrigada!!

Deixa um comentário