PRINCIPAIS DÚVIDAS

Há cinco anos, iniciei um trabalho de sensibilização ao mundo dos chás, introduzindo conhecimentos básicos e vivências sensoriais por meio de cursos, palestras e mediação de experiências. Mais de mil pessoas já tiveram contato com o trabalho do CERIMÔNIA DO CHÁ e independente do lugar ou da proposta do encontro, as dúvidas de quem está começando a se interessar por chá são muito parecidas.

Selecionei as mais frequentes para compartilhar com vocês:

– É “errado” tomar chá com açúcar? Não existe certo e errado no mundo dos chás, até porque gosto é pessoal e não se discute. O Stephen Twining costuma dizer que o melhor chá é aquele que gostamos de tomar. E eu concordo: a experiência tem que ser gostosa. Nos eventos, sugiro que as pessoas experimentem tomar primeiro o chá sem adição de açúcar pois assim sentirão seu sabor de verdade. Alguns chás surpreendem com um sabor adocicado natural e são deliciosos puros. Mas se não gostar de tomar assim, sinta-se à vontade para colocar um pouco de açúcar ou então mel, com o cuidado de o doce não se sobrepor ao sabor do chá.

– Por que o chá tem um gosto amargo? O chás não costumam ser amargos, mas podem deixar uma sensação adstringente (de boca seca), que pode ser mais leve ou acentuada de acordo com a variedade do chá ou se o preparo não for correto. É preciso ter muita atenção ao tempo de infusão, que é fundamental para que se extraia um sabor agradável. Se permanecer tempo demais na água quente, extrairá mais componentes e isso poderá deixar o sabor da bebida desagradável.

– A água deve ser colocada antes ou depois do chá? O chá primeiro (seja de saquinho ou a granel) e depois a água. A dica vem de uma grande amiga inglesa, Avril, que era uma vizinha do 19ème nos anos em que morei em Paris. Nada de mergulhar um saquinho na xícara com água… Ou melhor, antes disso tudo, recomenda-se aquecer o recipiente para que a bebida mantenha sua temperatura (e consequentemente preserve aroma e sabor) por mais tempo, o tempo que você leva para tomar o chá.

– Vou precisar comprar um termômetro para poder fazer o chá corretamente? Não necessariamente. Existem métodos tradicionais tanto para ter uma noção da temperatura da água durante o seu aquecimento pela observação das bolhas que se formam na chaleira. Trata-se do método chinês, e você pode ler este post para saber mais detalhes. Se você tiver uma chaleira com apito, assim que ela emitir o primeiro som, desligue, para evitar a fervura, e espere a água atingir uma temperatura mais amena para preparar o seu chá. O método japonês (geralmente utilizado no preparo do chá verde que pede temperatura mais branda) consiste em despejar a água quente nos utensílios (assim, eles ficam previamente aquecidos), e aguardar um tempo para que a água esfrie e então preparar o chá.

– Mate pode ser considerado chá? Tecnicamente, não e não, apesar de ser o “chá” mais conhecido no Brasil e na América do Sul em geral. Como o próprio nome diz, trata-se de uma erva e seu nome científico é ilex paraguariensis. Portanto, podemos considerar o mate uma infusão.

– Qual é a caneca ou xícara ideal para se tomar chá? Não existe uma regra, cada um tem a sua preferência. Eu não gosto de xícaras ou canecas com alça, principalmente para tomar chá verde (cuja temperatura é um pouco inferior), pois eu gosto de segurar o recipiente com as duas mãos para sentir a temperatura da bebida. No caso de xícaras com alça, eu prefiro as mais leves e confortáveis para segurar. Não gosto de ter que fazer “musculação de dedo” para levantar uma xícara em momento que deve ser suave e agradável.

– Posso misturar leite com chá? Os ingleses têm o hábito de tomar chá preto muito forte com leite. Experimente. Recomenda-se ocupar 3/4 da xícara com o chá para que se possa preencher o restante com leite. Eu não consigo tomar Earl grey (blend de chá preto com aroma de bergamota) puro, tenho que “dar uma batizada” com leite (a expressão em inglês para isso é splash of milk) e coloco meia colher de chá de açúcar.

– Qualquer chá verde em pó pode ser considerado matcha? Como diferenciar? Não, em hipótese alguma. Muitas empresas têm vendido chá verde em pó com o nome de matcha e é preciso ter muita atenção. É difícil para leigos saberem se é ou não, pois na etiqueta o ingrediente é o mesmo: camellia sinensis. A diferença é que o matchá possui especificidades em seu plantio, colheita e processamento, o que o torna um produto muito caro e raro. Há empresas brasileiras que comercializam o matcha produzido no Japão, mas não existe no mercado matcha produzido no Brasil. Se você encontrar no mercado algum produto chamado “matcha” de fabricação nacional, pode ter certeza de que se trata de chá verde em pó. São mais raros os matchas verdadeiros encontrados em mercearias especializadas em produtos orientais, e a maioria é para uso culinário. Um legítimo matcha que pode ser tomado como na cerimônia do chá certamente terá um preço elevado, fará espuma ao bater e terá um sabor adocicado. Você vai saber reconhecê-lo pelo seu aspecto: além de ser um pó fino como o talco, possui uma coloração verde intensa, quase fluorescente, e não verde musgo ou pálido.

– É verdade que tomar chá verde emagrece e previne o envelhecimento? Não existe uma relação direta de causa e efeito do tipo “quanto mais chá verde eu tomar, mais irei emagrecer ou minha pele irá se regenerar”. O que se sabe é que existem componentes presentes na camellia sinensis que possuem propriedades antioxidantes e estimulantes. O consumo de chá verde antes da prática de atividades físicas pode aumentar a velocidade do gasto calórico. Há diversas pesquisas sobre quantidade máxima de ingestão, e ainda assim a quantidade pode variar de pessoa a pessoa, pois algumas poderão ser mais sensíveis à ingestão de cafeína ou algum outro componente. Portanto, qualquer generalização é arriscada nesse sentido.

CRÉDITO/FOTO: Lidia Ueta / aula-show no Estúdio Bom Gourmet, Shopping Pátio Batel (2016)