bastidores da novela Sol Nascente

Há cerca de um mês estive no Rio de Janeiro para acompanhar a cena de cerimônia do chá da novela Sol Nascente, que tem suscitado grande polêmica por ter protagonistas não asiáticos fazendo a família de japoneses da novela das seis. Discussões à parte, tive vontade de contar aqui no blog como foi trabalhar na produção dessa cena no Projac, que incluiu a montagem do cenário para o dia da gravação.

Fiquei impressionada com o profissionalismo da Giovanna Antonelli, sua atenção e concentração para aprender movimentos precisos da cerimônia do chá em poucos minutos em meio ao stress do set de filmagem. Tudo acontece ao contrário do tempo do chá: as pessoas têm que ser bem ligeiras e a gravação acontece de uma forma bem fragmentada. Ensaiamos a sequência completa umas duas vezes e eu passei o tempo todo ao lado da assistente de direção, olhando tudo atentamente. A cada micro-intervalo, a Giovanna me chamava e passávamos a próxima cena, afinando um ou outro detalhe.

O mais legal de passar uma tarde no set de filmagem é ver como a coisa é feita. E descobri que quem faz a cerimônia do chá de verdade na novela: o pessoal da produção. Falo isso porque o chá na cerimônia tradicional começa a ser “preparado” antes de entrarmos no tatami com os objetos. O anfitrião antes esquenta a água, acende o carvão, arruma os doces que são servidos, coloca o chá no pote etc. em uma salinha ao lado chamada de mizuya.

A novela tem uma espécie de mizuya no set, é um cantinho-acampamento, cheio de aparatos, utensílios de cozinha, comidas, fita crepe, tesoura, tudo que a produção pode precisar. E tudo vai acontecendo sem muito método e ordem, e dá tudo certo. Alguém pegava a água quente em uma térmica enorme enquanto eu peneirava o chá e outra pessoa arrumava os doces etc.

Tive o grande prazer de trabalhar com o Rocha, contra-regra que está na Globo há mais de trinta anos, e fiquei sensibilizada por ser ele “o cara do chá”. O Rocha está de olho em tudo, pronto para realizar os detalhes que fazem uma cena acontecer, mas também para acolher, anfitriar. Quando eu estava quase caindo de tanta fome (e minha comida demorando para chegar), uma parte da marmita dele foi transformada em um almoço quentinho para mim. Com ele, aprendi a acender o carvão com um maçarico a gás dentro de uma panela velha e usar pegadores de salada para transportá-lo em brasa. Adorei também a Andreia Neves, que estava sempre por perto com uma tigela limpa, uma toalha de papel, o que eu precisasse para ajeitar o cenário entre um take e outro. Tivemos umas conversas profundas e significativas em meio àquela loucura toda. Assim pude perceber que, além de todo o aparato câmera-cenário-atores-kimonos bonitos, há pessoas de verdade que pulsam dentro do trabalho, que acolhem, cuidam, alimentam, arrumam, harmonizam.

(clique no link abaixo para ver a cena)

Cerimônia do chá – Sol Nascente

Hoje, ao assistir à novela para acompanhar esse um minuto de cena que para mim durou uma tarde, me lembrei de cada coisinha que compõe o todo. O lenço vermelho (fukusa), usado pela anfitriã da cerimônia do chá, foi pendurado na cintura da Giovanna Antonelli e lá esteve o tempo todo, mas apareceu poucos segundos na cena, assim como a cor do chá, de um verde intenso que caracteriza um matchá de qualidade, a fumaça saindo da água quente, a forma de segurar e girar a tigela, enfim, eu poderia ficar aqui descrevendo cada pedacinho do que acompanhei.

Por outro lado, ver como a cena ficou na novela se sobrepôs à ilusão que eu tinha criado na minha cabeça, a de estar dentro de um filme de Ozu, sem algum sinal de música estereotipada no fundo, sem close de olhar, focado/desfocado, luz sobre a água quente, o barulho da concha de bambu saindo da água.

Achei a cena da novela boa, mas gosto muito da poesia da cena que filmei com os meus olhos e ficou armazenada em minha memória, que não existe separada do sentimento de acolhimento e carinho do Rocha e da Andreia, do esforço do Luís Melo em permanecer tanto tempo sentado em seiza, e a concentração e confiança da Giovanna.

Na cerimônia do chá, a sublime beleza é também composta pelo que se carrega no coração.

Comentários

4 comentários em bastidores da novela Sol Nascente

  1. Passarinho disse:

    Adorei a matéria e a cena ficou belíssima. Mas com essa sua narração, ficou bem melhor.

  2. andreia neves disse:

    Foi um grade prazer ter conhecido você.
    E beber o chá e o que ele fez
    Um grande beijo

  3. Renata Santos disse:

    Muito bom seu site.Faz um bom trabalho.

Deixa um comentário