nostalgia light

Escrita e leitura têm um forte poder sugestivo. Depois de escrever sobre o banchá, o conforto que ele proporciona e as lembranças que ele evoca, não sosseguei enquanto não preparasse ao menos uma caneca (até agora já foram duas e não duvido que farei um bule depois de jantar). Ou seja, ele foi eleito “o chá do dia“.

Como já foi comentado nas “dicas de preparo“, há recomendações dos especialistas, mas há também o gosto pessoal. Como é um chá que conheço relativamente bem, já desenvolvi certas manias e preferências.

Gosto dele mais forte e quente em dias mais frios ou quando tenho muita coisa para escrever. E preparo ele um pouco mais suave em meia estação (há a versão gelada também, mas isso fica para outro post).

Hoje, apesar do frio, escolhi um meio termo: suave em sabor e temperatura, com gosto de nostalgia light.

* TEMPERATURA DA ÁGUA: 75 °C  * MEDIDA: 1 colher-medidor * TEMPO DE INFUSÃO: um pouco mais que 1 minuto *

Ás vezes, eu defino o tempo observando a cor do chá. Esta é a cor ideal para o banchá que eu queria tomar hoje, um pouco mais claro e dourado que o de costume.

Deixa um comentário